MATÉRIAS DIVERSAS

Conheça o Brasileirinho

Bloco de Concreto Brasileirinho

Você já deve ter se questionado sobre o que é o bloco Brasileirinho e quais são as suas vantagens. Por isso fizemos uma matéria especial com todas as características desse artefato inovador.

Como você já deve imaginar, ele se chama Brasileirinho pelo fato de ter sido criado aqui em nosso país. Francisco Carlos Aguilar, criou o Brasileirinho para atender todas as medidas e padrões adotados no Brasil.

Cada vez mais os construtores estão optando pela utilização do Brasileirinho, mas ainda muitos optam pela utilização dos tijolos convencionas de cerâmica. Por isso, o Grupo Aguilar presta palestras e disponibiliza materiais informativos sobre o Brasileirinho para que os construtores possam ter mais informações sobre as inúmeras vantagens que a sua utilização pode trazer para a construção.

O bloco Brasileirinho, foi desenvolvido para trabalhar dentro do sistema construtivo modular, sendo que o mesmo deverá seguir as resistências previstas em normas de fabricação dos blocos de concretos padrões.

Muitos questionam a resistência, ela pode ser definida como Vedação (2 MPA) e Estrutural (acima de 4 MPA). Sendo assim, o bloco Brasileirinho possui resistência e qualidade superior aos tijolos de cerâmica.

O Brasileirinho possui duas cotas, 12.5 x 25 recomendada para utilizar em construções de casas térreas. E também a cota de 14 x 28, voltada para as construções de edifícios superiores a 4 pisos.

No início, o principal objetivo era substituir os tijolos cerâmicos tradicionais, que por questões ecológicas não devem continuar por muito tempo no mercado, mas não só isso os blocos Brasileirinhos podem substituir os blocos de concreto, pelo fato de não possuir nenhum tipo de modularidade e ter um grande peso unitário, podendo prejudicar a estrutura física dos operadores. Sendo assim, o Brasileirinho pode ser movimentado por uma única mão sem muito esforço, gerando assim agilidade e segurança aos colaboradores da construção.

Na edificação as paredes sobem com os furos a plumo, ou seja, alinhados. Permitindo que se utilize este alinhamento de furos, para a passagem das instalações hidráulicas e elétricas, sem precisar quebrar a parede, isso desde que a obra seja planejada. O alinhamento perfeito dos furos, também oferta um grande controle nas cotas e medidas da obra, pois só existe, peça inteira, meia peça e canaletas.

Os furos atuam como micro chaminés, que servem para escoar as tradicionais umidades que ficam retidas nas paredes, que por consequência pode causar doenças aos moradores da casa, pois ali se prolifera os mofos e fungos e que traz também os ácaros. Assim, as obras convencionais que não utilizam este método se tornam um estímulo as doenças respiratórias, não podemos esquecer que a mobília da casa também podem sofrer com a umidade das paredes. Além disso, as micro chaminés podem auxiliar no controle térmico do imóvel, pois não retém o calor e nem o frio. Uma boa acústica ao ambiente é uma das super vantagens que a utilização do Brasileirinho proporciona para o ambiente.

Construir com os Brasileirinhos é algo revolucionário, pois além de ter em sua composição somente materiais sustentáveis, como derivados de pedreiras, cimento e ainda dependendo do uso poderá utilizar matérias oriundos de reciclagem, como resíduos cinzas da construção civil que normalmente são descartados como entulho.

Um dos principais fatores que devemos destacar é que devido à modularidade e oferta a execução da obra se reduz bruscamente, tendo assim uma obra executada em um prazo bem menor e consequentemente o preço final da obra é reduzida em até 50%.
1- Devido à sua imperfeição, paredes feitas de tijolos comuns precisam de uma camada grossa de argamassa para o acabamento.

2- A fina camada de argamassa só é possível devido as medidas precisas e a alta aderência do Brasileirinho. Com isso teremos economia de tempo, material, mão de obra e a diminuição do peso da obra.

 

 

 

 

 

 

 

BRASILEIRINHO ESTRUTURAL

O Brasileirinho, como o módulo estrutural, além de ser ótimo no preenchimento dos vãos, é um elemento muito importante na estrutura da obra. As características vazadas do brasileirinho permitem o embutimento das colunas nas paredes, dispensando o madeiramento, tempo, mão-de-obra e gasto na confecção das formas.

 

 

 

 

 

 

 


BRASILEIRINHO CANALETA

O módulo canaleta apresenta dois furos para a passagem do ar, instalações elétricas, hidráulicas e ferragens, através da cinta de amarração. Para que fiquem livre os furos através da cinta de amarração, usamos durante a concretagem, canos de PVC conforme “Fig. A” que poderão ser retirados após a secagem do cimento.
Os furos através da cinta de amarração permitem a passagem das instalações elétricas, hidráulicas e a circulação do ar, livrando as paredes da umidade.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PARA QUE SERVE VERGA E CONTRA VERGA?

Vergas e contra vergas são vigas colocadas nos vãos como portas e janelas na intenção de reforçar o local. Mas não são eficientes como as cintas de amarração.
Em resumo: vergas e contra vergas são vigas que saem do nada e vão para nenhum lugar.

ASSENTAMENTO
Para fazer o assentamento do Brasileirinho é necessário um aplicador muito parecido com um confeitador de bolo que pode facilmente controlar o fluxo da massa, proporcionando economia e rapidez.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Assentamento de Blocos de concreto com Brasileirinho

Rebocando parede de Blocos de Concreto Brasileirinho

 

Selecionar os materiais corretamente é essencial para que o artefato seja fabricado com qualidade, garantindo que sua obra seja um sucesso. Veja abaixo os materiais mais utilizados e como separar e adequar as matérias primas:

Pó de Pedra: Possui, em média, de 0 a 3 mm de granulometria. Geralmente, é aplicado em usinas de asfalto (CBUQ, PMF, PMQ), em colchões de pavimentos rígidos e flexíveis, em fábricas de blocos, em manilhas e na confecção de materiais pré-fabricados (blocos, tijolos, etc.)

 

Pedrisco: Com forma arredondada, o pedrisco tem em média entre 3 a 6 mm de granulometria. Geralmente, é aplicado em usinas de asfalto (CBUQ, PMF, PMQ), em colchões de pavimentos rígidos e flexíveis, em fábricas de blocos, em manilhas e na confecção de materiais pré-fabricados (blocos, tijolos, etc.)

 

Brita zero: Possui, em média, de 6 a 8 mm de granulometria. Geralmente, é aplicado em fábrica de blocos, em usinas de asfalto e concreto e em lajes pré-fabricadas.

 

Brita zerão: Possui, em média, de 12 a 14,5 mm de granulometria. É uma brita especial, aplicada principalmente em lajes pré-fabricadas. É utilizada em casos em que a brita zero é muito pequena e a brita um é muito grande para o artefato.

 

Pedrisco Misto: É a mistura do pedrisco com pó de pedra. Algumas pedreiras fornecem aos fabricantes de blocos uma mistura meio a meio.

 

Talco de pedra: É necessário muito cuidado ao utilizar esse material, pois é muito fino, gerando problemas na fabricação do bloco por consumir mais cimento e baixar a produção, já que emplasta (gruda) na forma frequentemente.

 

Areia: É utilizada areia média ou grossa, mas pode-se utilizar uma pequena parcela de areia fina para fechar os poros dos blocos, melhorando seu acabamento e evitando os problemas causados pelo talco de pedra.

 

É importante lembrar que materiais grossos demoram mais para compactar, tem menor acabamento e desgastam mais rapidamente os equipamentos.
Alguma dúvida sobre o Brasileirinho? Mande sua dúvida para marketing@sahara.com.br que responderemos no Programa Dúvidas & Soluções.